Sábado, 19 de Junho de 2021 13:34
34 9987 27 0 11
Geral Paraná

Equipe médica do Porto de Paranaguá reforça alerta sobre cuidados com a hipertensão

Ação que marca do Dia Mundial da Hipertensão se destina, em especial, aos caminhoneiros. Neste ano, de janeiro a abril, mais de 143 mil motoristas ...

17/05/2021 09h56
Por: Irineu Castanheira Fonte: Secom Paraná
© Claudio Neves/Portos do Paraná
© Claudio Neves/Portos do Paraná

A Portos do Paraná promove nesta segunda-feira, 17 de maio, Dia Mundial da Hipertensão Arterial, uma ação de conscientização sobre a doença. A equipe médica que atua no Porto de Paranaguá chama a atenção, em especial, dos caminhoneiros sobre a importância de não descuidar da saúde na boleia.

Neste ano, de janeiro a abril, mais de 143 mil caminhoneiros foram recebidos no Pátio de Triagem, antes de descarregar os graneis sólidos de exportação no Porto de Paranaguá. Todos, obrigatoriamente, passaram pela triagem de saúde. A operação é para prevenir a Covid-19. Porém, neste momento, outras queixas aparecem e a equipe orienta e encaminha para a procedimentos. A hipertensão é muito comum.

“Aparece bastante casos. Inclusive teve um caso recente que nos pegou de surpresa”, conta Sueli Miguel Rodrigues, enfermeira que atua na triagem dos caminhoneiros desde novembro do ano passado, no Pátio de Triagem do Porto de Paranaguá. “O senhor sempre viajava, não tinha hábitos de cuidar da saúde, mas tinha casos na família. Chegou aqui para a gente, com a pressão a 18 por 10, já com dor no peito. Passamos para ele as orientações, acionamos o Samu e ele teve que ser removido. Sorte que deu tempo de a gente fazer os primeiros atendimentos.”

De 15 para cima, a pressão já coloca a equipe em alerta. “Em caso de os valores também estarem próximos, um do outro, também nos preocupa”, completa Sueli.

Daniele Caroline Lopes Lima é uma das médicas que faz plantão na operação contra a Covid-19, no local. “É bem frequente encontrarmos, aqui, caminhoneiro com a pressão arterial elevada. Muitos até nem sabiam que sofriam de hipertensão. A gente constata quando eles nos procuram queixando de dor de cabeça, dor na nuca”, diz ela que é clínica geral e atende desde o início da campanha.

Segundo a médica, pode ser um episódio isolado, um pico de pressão. Porém, o ideal é que eles façam o acompanhamento, procurem médico especialista. “Nesse caso, como eles estão sempre viajando, acabam não tendo o costume de fazer esse acompanhamento”, diz.

FATORES -Alimentação desbalanceada, falta de atividade física, estresse ou hereditariedade. Esses são os principais fatores que desencadeiam a hipertensão. As complicações das crises hipertensivas podem ser infarto e AVC. Além disso, a longo prazo, pode acarretar problemas renais, insuficiente cardíaca, entre outros. 

“A hipertensão arterial é uma doença silenciosa. Nem sempre dá sinais como dor de cabeça, dor na nuca. Tem que fazer o check-up, consultar o médico regularmente, dar atenção. Não dá para ser só trabalho. É preciso também priorizar a saúde”, alerta a médica.

CAMINHONEIROS –João Nunes Fogaça chegou de Londrina para descarregar 32 toneladas de soja no Porto de Paranaguá. O trajeto é de oito horas de estrada. Porém, dias antes, ele chegou do Rio Grande do Norte, para onde levou fertilizante. 

“Eu faço check-up anual, de qualquer jeito. Da alimentação eu tenho que cuidar porque tenho diabetes. Mas a pressão, não sei como está. Faz uns 30 dias que não meço”, diz ele que é caminhoneiro há 25 anos. 

Rafael Vomer chegou de Planalto, também no Paraná, mas um pouco mais distante. São 11 horas de viagem. “Tem que vir devagar, cuidando da estrada”, diz ele. Questionado sobre o cuidado com a saúde, ele diz que não dá muito tempo para fazer exercício. “Mas check-up eu fiz agora no final do ano”, conta.

“Tem que tentar se cuidar um pouco, porque caminhoneiro sofre, principalmente por causa do horário. Tentar cuidar da saúde para conseguir curtir os filhos”, orienta Rafael, aos demais caminhoneiros. 

Cristiano Jeremias, de 41 anos, é de Criciúma, Santa Catarina. Na estrada há 21 anos, ele diz que vem ao Porto de Paranaguá pelo menos cinco vezes ao ano. Cristiano admite que a saúde não anda muito em alta, não. “A preocupação com a boleia é grande e acaba não dando tempo. 

Porém, ele garante que depois dessa viagem vai parar para fazer um check-up. “Estou preocupado com algumas coisas que ando observando”, diz Cristiano.