Página Inicial / DESTAQUE / Estudo aponta influência do Rio Amazonas em furacões no Atlântico

Estudo aponta influência do Rio Amazonas em furacões no Atlântico

Um estudo da Universidade de Miami descobriu que as águas doces e frescas despejadas de rios da América do Sul, especialmente do Rio Amazonas, no mar quente do Caribe, podem estar ajudando ciclones e furacões a ganharem intensidade rapidamente ao longo do Atlântico. A influência, segundo pesquisadores, pode ter contribuído, inclusive, para o furacão Matthew, registrado em outubro do ano passado, ter sido tão devastador, principalmente no Caribe.

Esta “nuvem” salobra sobre o mar, efeito semelhante ao do óleo sobre a água, impede a mistura da água fria com a mais quente, o que pode estar ajudando os furacões e ciclones a se intensificarem rapidamente, de acordo com um estudo da Universidade de Miami publicado no Journal of Geophysical Research na última semana.

O estudo de Johna Rudzin, doutoranda na Escola Rosenstiel de Ciências Marinhas e Atmosféricas da UM e principal autora da pesquisa, começou há dois anos, quando uma equipe do Laboratório de Dinâmica do Alto Oceano instalou 55 sensores no mar do Caribe para medir a temperatura do oceano, a salinidade e as correntes marítimas.

O objetivo era entender melhor as características dos redemoinhos de águas mornas na região, que provavelmente são originários da corrente norte do Brasil.”Isso é meio problemático, sabendo que muitos furacões passam por aquela região”.

O furacão Matthew, que cresceu até se tornar uma perigosa tempestade de Categoria 5 com ventos de 160 mph, ganhando 80 mph em 24 horas, é um dos exemplos de como é necessário entender o que acontece naquela região do planeta.

Temporada de furacões

A temporada de furacão inicia oficialmente a partir de 1º de junho e segue até o final de novembro. O Centro Nacional de Furacões divulgou os nomes de furacões de 2017. Os nomes são selecionados pela Organização Meteorológica Mundial e geralmente são associados à etnia da bacia que seriam afetadas pelas tempestades.

“Por exemplo, na bacia atlântica, a maioria das tempestades tem nomes em inglês, mas há também uma série de nomes de origem hispânica, bem como alguns nomes franceses”, disse o porta-voz do Centro Nacional de Furacões, Dennis Feltgen.

Para a temporada 2017, os nomes escolhidos foram: Arlene, Bret, Cindy, Don, Emily, Franklin, Gert, Harvey, Irma, Jose, Katia, Lee, Maria, Nate, Ophelia, Phillippe, Rina, Sean, Tammy, Vince e Whitney.

Você pode Gostar de:

A quarta edição do Mercado de Pulgas é neste domingo (6)

Vem aí mais uma grande edição do já consagrado Mercado de Pulgas – Antiguidade e …

Encerrada a semana do desarmamento infanto-juvenil

O encerramento da Semana de desarmamento infantujuvenil aconteceu no Parque do Sabiá A iniciativa, que …

Abrigos de ônibus estão sendo instalados no Residencial Pequis

Implantação de novos equipamentos será realizada – na primeira etapa – em 50 bairros de …